• EmResenhas

    Matadouro Cinco – Kurt Vonnegut

    Escrito por Kurt Vonnegut, Matadouro cinco é considero um clássico da ficção científica e ganhou uma edição comemorativa de 50 anos lançado pela Editora Intrínseca.

    Vonnegut, real sobrevivente do massacre ocorrido em Dresden, Alemanha, na Segunda Guerra Mundial, nos conta uma história antiguerra, com um humor ácido e sarcástico.

    Engana-se aqueles que pensam que Matadouro Cinco é uma história auto-biográfica. Aqui vamos ler sim sobre o massacre de Dresden, mas bem menos do que imaginamos e de uma forma bem diferente.

    Matadouro Cinco conta a história de Billy Pilggrin, um optometrista que foi enviado para guerra sem nenhum preparo e que a única coisa que desejava, depois de todo seu pelotão ser dizimado, era morrer em paz. Mas parece que as pessoas não pensavam a mesma coisa e, sempre tinha alguém para ajuda-lo, encorajá-lo e até mesmo carrega-lo a fim de salvar sua vida.

    Aqui, acompanhamos a vida de Billy de forma não linear, isso porque Billy “viaja no tempo”, então conhecemos sua história inteira através dessas viagens. As viagens são sempre divididas em pequenos parágrafos que ajudam o leitor a se situar na história e acompanhar todas essas mudanças no espaço tempo.

    O tempo é imutável. Por mais que Billy já saiba o que vai acontecer, ele não pode mudar o curso da vida. É assim mesmo.

    Além das viagens no tempo, Billy também foi abduzido por alienígenas vindos de Tralfamador e acompanhamos o tempo em que ele esteve à bordo de uma nave, preso em um zoológico, com os Tralfamadores vindo visita-lo.

    Mesmo com todas essas viagens, Billy sempre acaba voltando para uma época certa de sua vida: a Segunda Guerra Mundial e toda a sua trajetória até chegar em Dresden, onde ele veria de perto os bombardeios incendiários que destruiriam a cidade e deixariam quase 200.000 pessoas mortas.

    Matadouro Cinco era um dos abatedouros da cidade onde Billy e seus companheiros prisioneiros americanos ficaram encarcerados durante o bombardeio.

    A história de Billy pode ser um pouco confusa em alguns momentos, com todas as idas e vindas do tempo, sem saber qual seria ao certo o “presente” de Billy. Mas uma coisa é inegável: Matadouro Cinco é um romance original e ousado.

    Aqui, não temos heróis, não temos sacrifícios, nem conquistadores. Não há nenhuma romantização da guerra. Vonnegut nos mostra, de forma dura e crua, que a guerra não tem nada de bonita e de necessária, como muitas outras histórias nos mostram. De forma sarcástica, o autor nos mostrar como a guerra é inútil, fria e sem precedentes.

    É uma leitura com um vocabulário simples, sem muitas complicações. Apesar do tema, o sarcasmo do autor e a personalidade do personagem principal deixam a leitura rápida e agradável e faz o leitor querer conhecer mais sobre as viagens no tempo e a vida o personagem.

    Um dos pontos do livro que mais me chamaram a atenção é o constante retorno do personagem à épocas sombrias de sua vida. Como acompanhamos a história de Billy através de suas viagens no tempo, o que senti é que o pobre homem nunca conseguiu ficar em paz. Mesmo em tempo mais tranquilos, depois de casado, com um boa vida, dois filhos adultos, ele sempre estava voltando para reviver os horrores sofridos na guerra.  Ele estava sempre revirando e revivendo suas dores de forma visceral.

    Quem aí já leu esse livro maravilhoso? Me contem o que acharam ali nos comentários 😉

    ADQUIRA SEU EXEMPLAR: AMAZONSKOOB

    1