InTextos & Crônicas

Aos leitores…

Ainda há quem leia na praça. Há quem leia enquanto espera. Quem leia simplesmente. E espere. Final de manhã, chove-não-chove, pracinha no centro da cidade, tempos apressados e a menina com seu livro. Alheia ao vai-e-vem, a quem olha para ela, a quem se admira com alguém lendo, ao barulho dos coletivos. Olhos correm pelas linhas, apertam para reler e entender, buscam um ponto de fuga, conferem algo fora da página. Chegou não. Continua a leitura. Roidinha na unha. Foto ampliada, suspiro de crônica abatido pelo título revelado: Enquanto o amor não vem. Mas resta uma esperança. Para quem escreve; não para quem lê. No instante seguinte, a menina levanta e caminha solitária. Se ficou esperando o amor, cansou. Talvez chegue no próximo livro.

Mas talvez ela não tenha ficado esperando o amor — ela o levou consigo, entre capas.

 

2

Você também pode gostar

2 Comentários

  • Fale para elas

    Sou suspeita para falar tu abe né? Sou sua fã!
    Amei o texto.

    janeiro 8, 2014 at 2:58 PM Reply
  • Deixe uma resposta