O que eu tenho a dizer sobre: Maze Runner – Cura Mortal, de James Dashner

  curamortal Título original: The Death Cure
  Autor(a): James Dashner
  Editora: Vergara & Riba
  ISBN.: 9788576833888
  Número de páginas: 364

   Sinopse: Maze Runner – A Cura Mortal – Por trás de uma possibilidade de cura para o Fulgor, Thomas irá descobrir um plano maior, elaborado pelo CRUEL, que poderá trazer consequências desastrosas para a humanidade. Ele decide, então, entregar-se ao Experimento final. A organização garante que não há mais nada para esconder. Mas será possível acreditar no CRUEL? Talvez a verdade seja ainda mais terrível… uma solução mortal, sem retorno.
Amazon ♥ Submarino ♥ Saraiva ♥ AmericanasLivraria Cultura ♥

 

Último livro da trilogia Maze Runner, Cura Mortal, vem para esclarecer as diversas dúvidas que foram se acumulando nos livros anteriores. Ou pelo menos deveria.

 

 

 

Lembrando que Cura Mortal é o último livro da trilogia, portanto, essa resenha pode conter Spoilers! Se preferir, confira as resenhas dos livros anteriores:

Correr ou Morrer

Prova de Fogo

IMG_3406-copy

Cura Mortal se inicia três semanas após os acontecimentos relatados no fim do segundo livro (Prova de Fogo). Ainda preso na sala branca, sozinho, sem poder tomar um banho ou usar um banheiro decentemente, quase sem comida, Thomas está cada vez mais decidido a acabar com o C.R.U.E.L.

Quando a porta se abre e Thomas é levado até seus amigos pelo Homem-Rato, descobre que poderá ter sua memória restaurada, trazendo de volta todo o seu passado e que o C.R.U.E.L. irá retirar todo o controle que tinha sobre eles. Porém, depois de tudo o que passaram Thomas, Minho e Newt não conseguem confiar que a organização irá cumprir com tudo o que prometeu e, com a ajuda de Brenda e Jorge, conseguem fugir para Denver, uma cidade onde vivem os humanos remanescentes que até então não contraíram o Fulgor e alguns imunes.

IMG_3386-copy

Lá eles descobrem a existência do Braço Direito, uma organização que busca acabar com o C.R.U.E.L. de uma vez por todas. Aliados a eles, Thomas se compromete a impedir que o C.R.U.E.L. faça com outros imunes inocentes, tudo o que fizeram com ele.

IMG_3372-copy

Cura Mortal me decepcionou. Como fim de uma trilogia o livro deixou em aberto diversas pontas que seriam importantíssimas. Enquanto eu espera um desfecho para todos os acontecimentos dos livros anteriores, esperava entender um pouco mais sobre o CRUEL, sobre a relação do Thomas com ela, como era a vida antes de todos os experimentos, o que o livro me deu foi um monte de enrolação e de correria. E é exatamente isso que o livro passa: como se tivesse sido escrito as pressas.

Veja bem, todos os livros são contados em primeira pessoa e pela visão do Thomas, então já ficamos limitados à ele. Durante todo o terceiro livro, é como se o Thomas tivesse fugindo de todas as partes que pudessem dar ao leitor respostas conclusivas.

Os dois primeiro livros foram eletrizantes. A cada final de capítulo era impossível não começar o próximo. Nesse livro senti a leitura mais arrastada, alguns momentos pareciam que os personagens só ficavam dando voltas e mais voltas sem chegar a lugar nenhum.

Continuo sem entender diversos aspectos da história e fico muito feliz por o autor ter lançado mais dois livros complementares (Ordem de Extermínio e Maze Runner: Arquivos) e são neles que eu espero encontrar todas as respostas que preciso.

IMG_3395-copy

Mas Siih, afinal, vale à pena ou não ler a série?
Vale. Apesar da decepção com o terceiro livro, a série no geral vale super a pena e, como os próximos livros são complementares devem fechar todos os ciclos, então não há com o que se preocupar. Se você tiver a oportunidade de comprar o box poderá dar continuação na leitura com o Ordem de Extermínio e nem deve sentir a sensação de “falta alguma coisa” que eu tive ao terminar de ler Cura Mortal.

E é isso pessoal!
Beijinhos!

Me acompanhe:
Facebook  –  Twitter  –  Instagram

Maria Simone

24 anos, leonina, carioca, futura design gráfica e leitora assídua até de rótulo de shampoo. Apaixonada por fotografia e pela natureza.

junho 27, 2015

RELATED POSTS

DEIXE SEU COMENTÁRIO