InLiteratura

Conheça um pouco mais da autora Alana Gabriela

 

Sergipana, 20 aninhos e com uma bagagem enorme no universo literário. A autora do livro Flor de Cerejeira e mais diversos livros independentes, Alana Gabriela, tem tudo para ser um sucesso. Recentemente li seu último lançamento (o Flor de Cerejeira) e posso dizer que este possui uma história bem marcante. Com um enredo carregado de sentimentos, Alana nos da um livro envolvente e emocionante. Sempre simpática, a autora gentilmente aceitou responder algumas perguntinhas sobre sua vida pessoal e sua carreira como escritora. Foram nove perguntinhas bem simples para que a gente pudesse conhecer um pouco mais sobre ela e sobre seu livro.

1. Como surgiu a ideia de escrever a história da Yoko?

R.: Na verdade foi meio que sem querer. No geral eu planejo as minhas estórias, os personagens e tudo o mais antes de começar a escrever um livro para ter uma base para onde vou. Então quando, no final do ano passado, eu estava lendo o livro Vingança da Catherine Doyle imaginei uma estória sobre o ponto de vista da família do acusado e como seria tudo. E assim comecei a destrinchar um monte de sentimentos e escrevi. A Yoko não foi planejada na verdade, ela foi sentida primeiro e eu fui simplesmente escrevendo.

 

2. Você se inspirou em algum personagem real para escrever sobre a Yoko ou sobre o Aidan?

R.: Na verdade não. Quando eu era pequena assistia a um desenho animado chamado Timothy vai a escola e tinha uma gatinha amiga do guaxinim Timothy que se chamava Yoko e ela e a mãe cuidavam de cerejeiras e do jardim. Isso me marcou muito quando era criança e sempre quis que alguém me chamasse assim: minha florzinha de cerejeira. E gostava das flores e do nome da gata. E esse é o motivo da Yoko ter esse nome. *-*
Sabe o Aidan de Revenge? Pois é. Eu detestava ele porque gostava mais do Jack. Eu gosto muito do nome Adam, mas como já tinha escrito outro livro com esse nome eu comecei a escrever o personagem, destrinchá-lo na estória e na minha mente veio esse nome antes mesmo de eu nomeá-lo e ficou. A maior parte de Flor de Cerejeira foi escrito na emoção e nos sentimentos assim abruptos enquanto escrevia. Então não, não me inspirei em ninguém real para escrever os dois.

 

3. Você tem algum personagem favorito?

R.: Isso é muito difícil para mim porque eu conheço todos eles e os amo. Mas acredito que meu coração se enche de alegria com o Kai! *-* Eu o adoro.

 

4. Um dos detalhes que eu mais gostei no livro foi o festival Cherry Blossom. De onde veio a inspiração para inserir o festival na história?

R.: No geral eu vou para onde a estória me leva. Não era porque eu queria escrever uma estória na Georgia ou algo do tipo. Por exemplo, os meus primeiros livros as estórias se passam no Brasil e outras se passam no século VI D.C, ou até na Inglaterra. Eu nunca escrevo onde quero e sim onde a estória me leva. Como disse antes, eu não planejei nada ao começar FDC. Num dado capítulo do livro eu pensei: chega de sentimentos e contar a estória da Yoko, vamos situá-la agora. Então eu pesquisei um lugar onde tinha Cerejeiras sem ser no Japão – porque eu acredito que seria muito mais difícil escrever uma estória que se passa lá – e achei Macon e o Festival Cherry Blossom. Achei uma beleza e comecei a escrever tudo lá.

 

5. Esse foi o seu primeiro livro? Tem mais alguma novidade vindo por aí? Conte-me tudo!

R.: Aahaha, esse foi, na verdade, o meu 17º ou 18º livro não sei mais. Já escrevi um monte antes desse, dos mais diversos gêneros. O primeiro que escrevi na verdade é policial. Mas como gostei muitooo da estória da Yoko decidi publicá-lo na frente de tantos outros para fazer público. Mês passado acabei de escrever um livro de mitologia árabe que se chama Tormenta e Alvorecer e que eu amo muitooo de verdade. Até o presente momento eu ainda não tenho pareceres de editoras para nova publicação, mas estou trabalhando nisso.

 

Entrevista Alana Gabriela6. Conte-me um pouco sobre você. Sua história, com o que trabalha…

Well… eu falo inglês e estou me controlando terrivelmente aqui para não escrever nas duas línguas. Quem acompanha meu blog sabe que eu faço muito isso. Eu estudo Letras Português Inglês na UFS, escrevo músicas em inglês, crio estórias em português, amo piano, Jazz, Hard Rock, dias nublados, estudar mitologia, aprender novas culturas e línguas, tento aprender ASL (american sign language). Penso que todo mundo deve aprender libras, não trabalho no momento porque painho quer que eu estude primeiro, mas escrevo então tecnicamente trabalho em casa. *-* Sempre tive certa dificuldade para me concentrar para ler então eu lia bem pouco quando criança e não sou do mundo HP como a maioria, na verdade eu não lia nada além dos livros didáticos que a escola passava.

Mas escrevi minha primeira estória aos dez anos depois de assistir Chamas da Vingança – o livro era artesanal e bem cópia do filme então não vale. De qualquer forma eu não lia quase nada – além dos gibis da turma da Mônica – por causa desse dificuldade. mas em 2013 decidi retomar uma estória há muito perdida e comecei a escrever e a ler. O encontro com a literatura foi o máximo e eu queria ter começado antes, mas nesses últimos anos estou desapegando e esse ano alcancei o número de 92 livros lidos até o presente momento. É claro que eu quero mais. Então eu só comecei a escrever e ler de verdade em 2013. Publiquei meu livro físico A Estranha Mente de Seth no ano passado – é um gênero completamente diferente de FDC – e escrevo o máximo que posso.

 

7. Quando você começou a se interessar pela escrita?

Como disse na pergunta anterior, no ano de 2013 quando estava assistindo a uma aula de Redação para o Enem. Meu professor foi inspirador sobre a escrita e eu decidi retomar uma estória antiga que acabou se tornando Efeito Dominó – meu primeiro livro.

 

8. A capa do livro foi você mesma que fez?

Faço todas as capas dos meus livros. Eu gosto de ficar fazendo capas e diagramar. *-* Colocar detalhes super cool. Já fiz capa de livro que nem escrevi ainda.

 

9. Quais os seus planos para o futuro como escritora? E com o Flor de Cerejeira?

Well, eu pretendo terminar as muitas estórias que comecei e publicar uns títulos que submeti a alguns editoras, só estou esperando uma resposta. Pretendo publicar o livro físico de FDC no ano que vem, mas no momento estou focada em Efeito Dominó porque a book proposal foi aceita e em Tormenta e Alvorecer. A estória da Yoko, do Aidan e do Kai está no meu coração então eu quero o melhor possível para eles.


E é isso pessoal! Pra quem se interessou pelo Flor de Cerejeira e quer saber mais sobre o seu enredo, lá no canal tem resenha dele (assista clicando aqui).

Pra quem quiser acompanhar a autora e saber em primeira mão sobre lançamentos e afins, você podem segui-la no seu blog pessoal: Pieces of Alana Gabriela.

0

Você também pode gostar

Deixe uma resposta